O que faz um cão capaz de aprender? Novas pesquisas mostram que o aprendizado pode ser um presente da confusão mental. Confusão? Isso mesmo! Vamos entender melhor.

Vamos pegar como exemplo Samson, que tem cerca de 1,5 anos de idade. Como a maioria dos cachorros, ele sabe que palavras significam coisas. Ele sabe que existem palavras como bola e andar e sim, e ele sabe o que elas significam. Claro, isso não é nada comparado ao Chaser, um famoso border collie, que conhecia mais de mil palavras e podia recuperar objetos com base em seu rótulo.

Mas o que Samson e Chaser também aprenderam é algo muito mais importante do que os rótulos de quaisquer objetos individuais: Eles aprenderam que um som pode se referir a coisas (como bolas), verbos (como caminhar) e afirmações (sim, manter fazendo isso). E isso significa que novos sons podem se referir a coisas novas.

O border collie Rico fez algo ainda mais incrível para demonstrar isso. Ele podia reconhecer que uma nova palavra, uma que ele não tinha ouvido antes, era relacionada a um novo objeto. Ao mostrar a Rico dois objetos – um novo e um para o qual ele já conhecia o nome – era mais provável que selecionasse o novo objeto se ouvisse uma palavra nova. Crianças também fazem isso e psicólogos chamam isso de princípio da exclusividade mútua.

Recentemente, os cães foram treinados para ficarem parados durante exames de ressonância e isso permitiu que os pesquisadores descobrissem quais partes do cérebro do cão estão associadas à recompensa, detecção de rostos e cheiros.

No estudo, cães eram treinados para identificar duas palavras e objetos diferentes. Uma vez que os cães pudessem discriminar com confiança esses objetos, eles observavam o cérebro de cada cão respondendo às palavras familiares dos dois objetos, bem como duas palavras que os cães nunca tinham ouvido antes.

Os resultados mostraram que os cães responderam de maneira diferente às palavras conhecidas do que às palavras novas. Em particular, as novas mostraram mais ativação do que as palavras conhecidas.

Isso é diferente dos seres humanos observados em um experimento similar. Os humanos mostram mais ativação para palavras conhecidas.

Quanto mais familiar o sinal, menos ativação cerebral. Esse padrão de ativação geral a específica é semelhante ao que redes neurais profundas fazem durante o treinamento: elas geralmente começam com generalização excessiva e, em seguida, nitidez.

Em resumo, isso sugere que os cães sabem que há algo para saber, eles simplesmente não sabem o que é. Eles ficam confusos – e isso possibilita que eles aprendam. Portanto, na terra dos cães, a capacidade de um cão ficar confuso é o que faz com que os cães aprendam.

* Com informações de Psychology Today

 

 

 

 

%d blogueiros gostam disto: